terça-feira, 21 de agosto de 2012

Um dia na Tapada da Ajuda

No coração de Lisboa existe um lugar maravilhoso apenas perturbado pelos ruídos dos carros que passam na ponte 25 de Abril, pelos aviões que sobrevoam a entrada da cidade e pelas, creio que milhares, de cigarras que habitam o campo das merendas e insistem em ser a componente musical da paisagem sem se darem ao descanso, sem nos darem descanso - não param, nunca. São horas a fio de ruído de fundo. Ainda assim nada disto chega a incomodar verdadeiramente, tal a extensão e beleza do verde que habita na Tapada da Ajuda, em redor do Instituto Superior de Agronomia.

E é no meio de todo esse verde que vivem as videiras. Longos corredores de videiras arrumadas por castas - Moscatel Galego; Moscatel de Setúbal: Viosinho; Alvarinho...e por aí fora que não cheguei a vê-las todas. É que ontem começaram as vindimas na Tapada e eu fui apanhar uvas, levada por este senhor, mais amante ainda do que eu, da Natureza, das árvores, das flores e de tudo o que é espaço verde - se não mais amante, pelo menos mais actuante, que o meu imenso amor por ela é muito mais meditativo. Mas ontem foi a excepção, fui apanhar uvas e adorei. 









6 comentários:

Labirinto de Emoções disse...

A saudade que me deu ver de novo o lugar lindo onde eu o ano passado andei tantos dias a vindimar. Com imensa pena, por motivo familiares não poder ter estado presente e conhece-la..:-))
Ficará para uma proxima oportunidade, porque creio que a sua presença na Tapada da Ajuda se irá repetir.
Um beijinho

Jardineiro do Rei disse...

Antígona...

Ainda bem que gostaste.

E eu fico feliz por ter partilhado contigo aquele lugar maravilhoso e mágico.

Antígona disse...

CF as uvas são de fazer crescer água na boca :)

LE hei-de lá voltar com certeza, já não este ano - em Setembro já tenho de estar a trabalhar - mas para o ano, com certeza :):)

Jardineiro, foi um prazer :)

CF disse...

Olha lá como eu escrevi ora Ahahaha... Não posso. Apaga aquilo. Eu roubo as uvas aqui :)

Antígona disse...

Feito :):)

Catarina disse...

Já tenho saudades de uma bela vindima:(
É cansativo e trabalhoso, mas sempre podia deliciar-me com uns belos bagos de uva, bem doces... Quando era pequena e ia à vindima do meu avô, diziam na brincadeira que eu comia mais do que vindimava:)
(e se calhar era verdade...)
Bom fim de semana!