terça-feira, 6 de março de 2012

Faz hoje um ano

5 comentários:

Sputnick disse...

Parabéns, e que contes muitos assim :)

CF disse...

:) Parabéns

Jardineiro do Rei disse...

Eu fumava cachimbo...
Primeiro porque achava que ficava bem... via os marinheiros, os "embarcados", dos navios que atracavam na Lisnave (e também na Setenave), os velhos marujos dos Cacilheiros e do Ginjal, de barba grande e casacões de flanela aos quadrados, com velhos cachimbos fumegantes, rilhados entre os dentes e gostava do que via. E copiei...
E depois sabia bem. Um cachimbo é único, é pessoal, é só nosso. Não há dois cachimbos iguais. Tal como as árvores de onde provém a madeira nobre de que são feitos. Não há duas árvores iguais. Também o cachimbo tem algo de nobre. É um confidente. Até aquece - em manhãs frias e nevoentas de Cacilhas - a mão que o pega. É fumado em momentos de solidão, de nostalgia... e depois tem um perfume único.Que nos leva até onde o nosso pensamento quiser...
E assim foi comigo. Da aventura e prazer dos primeiros tempos, passou lentamente a ser vício. Que foi ganhando forma, foi-se "entranhando". Já não passava sem ele. Todo aquele maldito alcatrão negro e pegajoso, muito mais sórdido que mil cigarros, entrava nos meus pulmões. Desgastava e destruía o prazer de um bom copo com os amigos, de uma belo bife. E sobretudo ia matando aos poucos um coração já de si pouco saudável.
Um dia atingi o ponto de "não retorno", "ou páras, João, ou morres! A escolha é tua!" Decidi viver. Há oito anos que o meu velho cachimbo repousa, submisso e conformado, na prateleira da sala...

Parabéns Antígona!

Um abraço

João

susan disse...

Parabéns!
Seria possível relatar essa experiência?
Obrigada

Antígona disse...

Susan, na verdade não há muito para relatar. Penso que deixar de fumar, como tudo na vida, começa por uma decisão, uma certeza de vontade. A partir daí é recorrer às ajudas possíveis, ou fazê-lo sozinho, depende dos temperamentos. Eu decidi ir a uma consulta anti-tabágica ao Hospital da Cuf e fiz muitíssimo bem. Larguei os cigarros sem passar por stresses indesejáveis e hoje, passado um ano, tenho a certeza que nunca mais lhes pegarei :)
Seja bem vinda aqui ao Antagonices e obrigada pelos votos :)