segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Nunca mais lhe falo!...

Foram várias as vezes em que, ao longo da minha vida, ouvi esta frase de outras bocas – nunca mais lhe falo!

Nunca me tinha acontecido, na verdade sempre considerei tratar-se de uma atitude estúpida e infantil. Aconteceu-me agora.

Confesso que é uma sensação de perda, deixar de falar a alguém de quem sempre se gostou, ou pensou gostar, alguém que se conhece, ou pensa conhecer, desde sempre. É uma sensação de perda. Triste como são todas as sensações de perda.

Infelizmente o deixar-se ou não de falar a determinada pessoa não depende apenas de uma mas das duas. Pela parte que me toca prefiro muito mais o esclarecimento, a zanga, os gritos e as pazes que, quando a amizade é verdadeira, se lhes seguem. Mas nem toda a gente é assim e talvez eu nunca tenha deixado de falar a ninguém porque na verdade sou, não permissiva, mas compreensiva, prefiro este termo já que não permito mas compreendo e aceito, desde que tudo se esclareça e a verdade, seja ela qual for, seja reposta.

Não aceito que me mintam, que me ludibriem, que finjam comigo, principalmente se se trata de amigos de infância com quem partilhámos tanta coisa. Mas as pessoas crescem e nem sempre guardam o que seria de bom guardar. As pessoas crescem e tornam-se cínicas e eu tenho muita dificuldade em aceitar cinismos.

Enfim, a zanga foi pelo telefone, vivemos longe uma da outra, mas hoje cruzámo-nos, pela primeira vez depois da gritaria telefónica, cruzámo-nos e eu olhei, mas ela não olhou e eu segui caminho.

É pena. É pena que se desperdicem assim amizades, como se fossem fáceis, como se caíssem das árvores. Mas também, se calhar, só se desperdiçam aquelas que não existem e, sendo assim, sempre escusamos de desperdiçar o tempo que gastamos com elas…

4 comentários:

Quase nos 50 disse...

Ao ler as suas palavras lembrei-me duma frase do William Hurt n' Os Amigos de Alex: "......nós apenas nos conhecemos durante um período das nossas vidas....não somos amigos nem eu sei se vos conheço".
Esta frase marcou-me na altura porque apesar do cinismo do personagem, no fundo é bem verdade.
As amizades evoluem com a evolução dos intervienientes e se um dia aparece o "não te falo mais" é porque a evolução não foi comum.
Ou porque o corte foi bem profundo.
Mas apenas acontece o que está escrito nas estrelas....
Um abraço

CF disse...

Pois é. Se calhar essa pessoa que era amiga tem aquela coisa besta que chamo orgulho. E que não nos leva nunca a lado nenhum, embora muita gente pensa que sim...

Rui Jorge Trindade,músico disse...

Hummmmm, deve ter sido grave, para merecer uma decisão assim tão irredutível.Bjs.

rui disse...

Pois é. Além da sensação de perda ainda fica, para quem sente necessidade de se sentir íntegro, a vontade de perceber o que há para aprender com essa perda. Também eu perdi um amigo estes dias. Alguém a quem dediquei uma profunda, sentida e enorme amizade. Diria que dei tudo de mim para que essa amizade florescesse. E floresceu. E vivi ao longo do tempo em que existiu um desconfortável sentimento de culpa por me ver a braços com algumas desconfianças, com algumas suspeitas de que a outra parte dessa amizade não vibra na mesma esfera da sincerodade e da honestidade. A suspeita de haver mentiras e sentimentos de aproveitamento fez-me pensar que eu estaria a definhar na capacidade de amar, de respeitar, de perdoar. Porém, porque o Universo se ajusta à Verdade e dela faz nascer a Justiça, eis que me deu uma PROVA fisica, escrita, racional dessa imensa arquitectura de mentiras a que chegam a almas impuras. Magoado e triste, entendi que a lição da Amizade é uma estrada por onde caminhamos juntos durante algum tempo e que jamais se prevê o que traz a curva seguinte. Resta a alegria da autenticidade, da entrega verdadeira a um sentimento nobre e agora, o alívio de entender que afinal, não eram suspeitas nem desconfianças, mas sim intuições, alertas invisiveis, chamadas de atenção. Custa aceitar que a mentira existe e mais ainda quando epelhada nos olhos de quem amamos como a irmãos. Também eu deixei de falar alguém que poderia fazer ainda parte da minha vida. Mas, provavelmente, o Outono também leva pessoas como folhas secas após o quente verão. Felizmente que sempre haverá Primavera depois do Inverno...