quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Do Natal

Diz-se por aí, creio que há vários séculos, que o Natal é a época da Boa Vontade.
Também é costume dizer-se que Natal é Quando Um Homem Quiser.

Se o Natal é a época da Boa Vontade
Se o Natal é Quando Um Homem Quiser
Então a Boa Vontade é Quando Um Homem Quiser

Assim se desfaz uma importante característica desta linda quadra.
O que fica então?
A Festa.
Fica pois a Bela da Festa. Cheia de tradições, de reuniões, de acepipes e de bacalhau.
Bacalhau! Amado por uns. Odiado por outros.
Os que o amaram, amam e amarão, continuam a comê-lo como manda a lei - cozido, com as batatas e as couves, tão portuguesas grrrr.
Os que o odeiam, reinventam-no só porque temem mandar a tradição "às couves". Assim têm nascido alguns interessantes pratos do dito bicho. É claro que quanto mais trabalho se tiver a encontrar o bacalhau, mais interessante o prato se torna, pelo menos para os desapreciadores.
Os que detestam as couves, escolhem os grelos. Os grelos são sempre excelentes substitutos do verde obrigatório. Há ainda aqueles que se calam e vão depenicando só para fazer tempo para a sobremesa e se alguém lhes diz - Só isso?! - Eles respondem, prontamente - É para deixar espaço para o resto...

2 comentários:

Alminha Mariana disse...

Nisso sou muito tradicional e é o que mais gosto no Natal. Bacalhau cozido com grão, batatas, couves ou grelos que também gosto muito, ovinho! Nhaaammmiii!Qual sobremesa, qual quê?!

Antígona disse...

Não queres explicar isso, muito bem explicadinho, à tua amiga?